Cinco + finais que viraram debates

inception-02

Com certeza você já viu algum filme onde alguma questão não fica respondida e isso acaba sendo o tema da próxima conversa de bar. Recentemente tivemos o filme A Origem que deixou um montão de gente perturbada por alguns dias até chegar a uma única conclusão. O final ambíguo é uma arma muito interessante da escrita dramática, com certeza os que aqui listaremos não seriam tão impactantes e lembrados se oferecessem uma resposta simples e direta. Vamos lá aos cinco finais que mais levantaram discussões

5 –  O Lutador

The Wrestler, 2008

O filme de de Darren Arnofsky foi o que estabeleceu de vez que o diretor veio pra ficar. Ganhador de vários prêmios e responsável pela volta triunfal de Mickey Rourke. O lutador é, definitivamente, um grande filme. Mas o que diabos acontece no final!?

O Final:

O lutador está debilitado, seu médico frisou para não lutar mais, caso contrário poderia morrer. Ele ignora as advertências e chega confiante a luta. Começa a sentir pontadas no coração, mas prossegue e se prepara para aplicar o golpe final. O filme acaba.

Palpites:

Justamente, não é pra sabermos o que aconteceu. Os otimistas creem que ele viveu para lutar mais um dia, o resto que ele caiu morto no chão. Mas podemos chegar a uma conclusão devido a outro filme do mesmo diretor, o posterior Cisne Negro. Originalmente, a ideia de Arnofsky era realizar um filme sobre uma bailarina e um lutador que se apaixonavam, os personagens se tornarão tão interessantes que ele resolveu fazer dois filmes separados. Ou seja, a fonte de ambas as historias saiu do mesma trama. E em Cisne Negro, a protagonista Nina morre no final exercendo seu oficio de bailarina. Logo, provavelmente, o destino de O Lutador deve ter sido o mesmo.

4- Encontros e Desencontros

Lost in Translation, 2003

Outro filme que definiu a qualidade de uma artista, desta vez Sofia Coppola, a filha de Francis Ford Coppola, foi Encontros e Desencontros. Protagonizado por Bill Murray e com Scarlett Joahnsson no inicio do sucesso, Encontros e Desencontros é uma bela obra de romance. Também vencedor de vários prêmios e indicado ao Oscar.

O Final:

Bob Harris, um ator que se alimenta do sucesso do passado, vai ao japão para realizar um comercial. Lá conhece Charlotte (Johansson). Logo eles iniciam um profundo romance, o problema é que Charlotte é casada com John e Bob também tem uma esposa o aguardando em casa. No final do filme, na hora de eles se separarem, Bob susurra algo para Charlotte e ninguém, exceto ela, ouve o que foi que ele falou! Ninguém sabe o que vai rolar entre os dois.

Palpites:

Eu não tinha palpites, até ver este vídeo:

Bom, acho que realmente alguém ficou perturbado com esse final. Conseguiram decodifica-lo com um software de som! E pelo que o personagem de Bob fala (contar a verdade aquele homem, no caso John, o marido de Charlotte) parece que a relação deles havia chegado mesmo a um fim.

3- Bruxa de Blair

The Blair Witch Project, 1999

Bruxa de Blair revolucionou o terror com sua estética hiperrealista e documental. Filmes como Cloverfield, Atividade Paranormal e REC são todos discípulos do humilde e barato Bruxa de Blair. A trama é simples e suficiente, três amigos partem acampar em uma floresta na cidade de Blair, que é conhecida por abrigar uma lendária bruxa, a fim de realizar um documentário. Extremamente assustador sem mostrar uma gota de sangue, Bruxa de Blair é obrigatório a qualquer fã do terror.

O Final:

Após bonecos de madeira que aparecem do nada, gritos inexplicáveis no meio da noite e o sumiço de um dos integrantes acompanhado de sua camisa manchada de sangue, fica claro que alguma coisa bem tensa e do mal está acontecendo pela floresta. No auge do desespero, a noite, os dois integrantes restantes do grupo seguem os gritos de seu amigo sumido. Eles acabam chegando numa casa, sobem as escadas e veem o amigo perdido de costas olhando pra parede, a câmera então cai no chão e o filme acaba.

Palpites:

No inicio do filme, uma mulher nativa de Blair conta historia sobre a bruxa e diz que ela fazia as crianças ficarem de frente pra parede enquanto ela matava seus amigos. Bom, isso se repete no final e eles provavelmente devem ter morrido. Mas isso não explica nada! O que é a bruxa? Como ela mata? O que diabos aconteceu o filme inteiro? Bom, nunca iremos saber…

2- Onde os Fracos não tem Vez

No Country for Old Men, 2007

Onde os fracos não tem vez foi o filme que coroou os irmãos Coen de uma vez por todas. Vencedor de 6 Oscar, incluindo filme e direção é um filme incrível baseado na famosa obra de Cormac McCarthy

O Final:

O assassino Anton Chigurh (Javier Barden) visita a namorada do homem que estava seguindo e matou. Ele havia prometido matá-la, mas não vemos o que aconteceu. Ele simplesmente sai do local, bate o carro, ignora os ossos quebrados e vai embora. Mas não para por aí, a cena seguinte vemos o xerife da cidade (Tommy Lee Jones) anunciando sua aposentadoria a um amigo e depois pela manhã contando a sua mulher sobre um sonho que teve.

O sonho é mais ou menos assim:

O xerife é um viajante a cavalo que precisa atravessar uma montanha de neve durante a noite, ele então vê seu pai que passa cavalgando e toma a dianteira. O pai é fruto das lembranças do velho Xerife, logo é o homem mais novo do sonho e está carregando um chifre com fogo dentro. O pai cavalga tão rápido que some na frente do Xerife, então o Xerife sente alivio ao pensar que o pai sempre estará na frente dele esperando, onde quer que chegue.

WTF!?,

Palpites:

Para a primeira cena, novamente opto pela morte do personagem. Anton, o assassino, não falhou nenhuma vez, todos que ele iria matar, morreram. Por que seria diferente na última cena?

Para o sonho bizarro, peguemos o titulo original do filme: No Country for Old Men, literalmente “Não há terra para homens velhos”. No filme o velho xerife se encontra incapaz de fazer algo perante a brutal violência do assassino que ele persegue, ele escolhe a aposentadoria e desiste da captura, ou seja não há espaço(terra) para os velhos. É exatamente isso que o sonho pretende dizer, porém recheado de metáforas.

A montanha nevosa a noite seria a “ terra perigosa”, interpretado como o própria terra em que o xerife vive, que agora perante tanta violência é inóspita.

O homem mais novo, seu pai, o guia através da luz do fogo no chifre, lhe dando conforto e segurança para atravessar os perigos. Podemos entender isso como a própria memória do pai que sustenta o título de Xerife e protetor que o personagem de Tommy Lee Jones tem.

Porém o xerife acorda, e não está mais com seu pai, nem se sente seguro perante o ambiente hostil que agora existe lá fora. O sonho reafirma a incapacidade do velho Xerife perante os perigos. No Country for Old Men.

1-      A Bela da Tarde

Belle de jour, 1967

Luis Bunuel é conhecido por seu surrealismo no cinema. Amigo e parceiro de Salvador Dali, Bunuel aplicou técnicas do mestre pintor em seus filmes. Muitos deles não contém a minima explicação. Em Anjo Exterminador, não sabemos o que mantém as pessoas na sala, em O Discreto Charme da Burguesia, não sabemos para onde os personagens do filmes estão indo ao aparecerem caminhando juntos por uma estrada sem fim. Bunuel quer mesmo é nos intrigar e ver as mais vária das interpretações que podemos tirar de seus filmes. Porém o final dele que mais me incomoda é o de Bela da Tarde, com a belíssima Catherine Deneuve.

O Final:

Severine (Deneuve) é uma mulher casada e virgem que inicia o filme sonhando que está sendo castigada a chicotes pelo marido e seus empregados. O filme prossegue e ela sente um impulso de perversão implacável, e passa a trabalhar num prostíbulo a tarde para o seu marido não descobrir, dai o nome do filme, A Bela da Tarde.

90 minutos depois, Severine já desistiu de sua carreira indecente e está cuidando do marido, agora cego e em uma cadeira de rodas, quando é abordada por uma antigo cliente que ameaça contar ao seu marido toda a verdade. Ela então olha pra fora e lá está o mesmo cenário do inicio do filme, onde ela era castigada. Então retorna o olhar para seu marido e ele levanta, tira os óculos e começa a falar.

Palpites:

Realmente, acho impossível se acomodar numa única definição para o final deste filme. Mas inicialmente tinha duas proposições:

1-      Severine é sonhadora e um pouco maluca, prestes a ter seu mundo destruído (o marido saber a verdade) ela volta a sonhar. Indicado pelo cenário de fora e pela cura instantânea de seu marido.

2-      O inicio do filme (o castigo) era a única parte real da história e tudo que se passou foi um sonho de “vingança” dela. Ela passa a ser prostituta (fica mais experiente ao marido em relação ao sexo, além de estar “no controle” da fidelidade), o marido fica cego e na cadeira de rodas, ela passa a tratá-lo como um bebê. Ou seja de apanhando no meio da rua ela virou a babá dele, o dominado virou dominador. E no final, a realidade começa a voltar indicado, também, pelo cenário de fora e cura instantânea do marido.

No DVD americano do filme, o menu indica a cena final como “ Return to Dreams”, ou Volta aos Sonhos. De acordo com ele a primeira opção é a correta, mas Bunuel está morto e o organizador do menu do DVD não é o senhor da verdade, logo só nos resta questionar.

EXTRA: 2001 – Uma Odisseia no Espaço.

2001 – A Space Odyssey, 1968

2001, o grande filme do grande diretor Stanley Kubrick é um filme que sempre levanta discussões e muitos dizem que não existe solução ou interpretação correta. Porém a resposta é mais simples do que imaginam.

O FINAL:

O protagonista finalmente chega em Júpiter, lá ele encontra um monólito gigante, começa um show pirotécnico e de repente ele está num quarto tipicamente burgues. Ele se vê mais velho e depois mais velho e depois mais velho ainda, para enfim se transformar em um feto gigante que viaja pelo espaço.  Se você não viu o filme, não tente entender, falando desse jeito parece que escreveram o roteiro dentro de um hospício.

SOLUÇÃO:

Você sabia que 2001 é baseada em um livro homônimo? Inclusive o autor Arthur C. Clarke ajudou Stanley Kubrick a escrever o roteiro do filme. Enfim, no mundo dos livros é tudo muito bem explicado, inclusive nas continuações, tem o 2010, 2061 e até 3001.

É o seguinte, o monólito era um equipamento de uma raça super avançada que capacitava a aceleração da evolução. Por isso que os macacos na cena inicial se tornam inteligentes e posteriormente viram homo sapiens sapiens. Quando o astronauta chega em Jupiter, ele encontra outro monólito que o evolue. Essa evolução é demonstrada pelo show pirotécnico e as versões mais velhas de si mesmo que ele vê. É uma reapresentação para um supra-entendimento, ou uma inteligencia suprema que agora ele tem, uma diferença de intelecto tão grande para a do ser-humano comum quanto era a do macaco para nossa. Transformado nessa criatura superior, representado pelo feto gingante, ele volta para a terra com um “presente”, o entendimento superior, o próximo passo da evolução. Isso é justificado também pelo próprio titulo do filme, odisseia, que nos remete a obra de Homero onde Ulisses, o herói, volta de uma viagem conturbada para sua terra natal com um presente e salvação para todos.

Enfim, eu prefiro a visão do filme, justamente ele desperta dúvidas (diferente do livro) de propósito, Prefiro acreditar que o monólito não seja uma máquina alienígena, mas algo mais abstrato. Que pode ter origem alienígena, divina, pré-humana ou simplesmente uma figura simbólica para um ponto em que se define a evolução natural. Essa é a graça e magia dos finais ambíguos!

Comments
13 Responses to “Cinco + finais que viraram debates”
  1. liviapmj disse:

    Nossa adorei!!! Demais!!!! Sempre fico com essas duvidas!!!

  2. Rafael Marques disse:

    Iniciei meu dia tergiversando alguns textos extremamente paradoxais buscando descrever uma teodiceia em termos estritamente existenciais. Em uma função lógica e (amplamente) gnosiológica versei sobre associação/dissociação e integração/distinção.

    Ainda bem que desisti, que resolvi ler esse post. Genial!

  3. Ana Fernandes disse:

    Não confiem no Leon! Ele diz que liga no dia seguinte, mas não liga.

  4. V. Gomes disse:

    Onde está blade runner, monty pyton calice sagrado, star trek 2? Esta lista é no máximo, para ser educado, mediocre

  5. Eduardo Pereira disse:

    Muito interessante! Seria ótimo se essa lista pudesse ser estendida,o conteúdo está primoroso.

  6. João Paulo disse:

    Muito legal! Ajudou a esclarecer varias idéias! Parabéns, muito bom mesmo!

  7. João Paulo disse:

    Gostaria muito que essa lista fosse ampliada!

  8. marinaloretti disse:

    Cara, o blog de voces é sensacional! Juro!

  9. flazerbinato disse:

    eu to viajando, ou a imagem destacada é o final do A Origem, que nem foi citado no post e tambem tem um final muita sensa?!

  10. Gabriel Santin disse:

    eu nao entendi o final de Homem de Ferro.. vc poderia me explicar aquela cena final depois creditos??

  11. Maurício Cassar disse:

    Achei interessante a ideia do post: histórias em que o diretor deixa o fim em aberto. Foi que nem o caso em sala de aula: quem jogou a bolinha em mim?

  12. Achei ótimo o post! Mas também fiquei curiosa pra saber a opiniao sobre A Origem, e se der A Ilha do Medo também me deixou bem tensa

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: